Planos de Saúde Passam a Cobrir Exames Genéticos

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) divulgou em abril deste ano, que irá autorizar a solicitação de testes genéticos através dos convênios de saúde.

A nova regra autoriza oncologistas clínicos, hematologistas, neurologistas, ou geneticistas a solicitem exames de análise molecular de DNA; pesquisa de microdeleções/microduplicações por fish (fluorescence in situ hybridization); instabilidade de microssatélites (msi), detecção por pcr e bloco de parafina.

Os testes genéticos permitem identificar se há uma alteração genética em um dos genes associados a um tipo de câncer. A possibilidade de realizar um teste genético para investigar as probabilidades e diminuir as incertezas é um grande benefício aos pacientes.


Oncologista Fábio Franke é Destaque Brasileiro no Congresso ESMO

Entre os dias 5 a 8 de maio, aconteceu o congresso ESMO Breast Cancer Virtual Congress 2021. O evento que é o maior da Europa, reuniu médicos, pesquisadores e laboratórios de todo o mundo para debater os últimos avanços na oncologia. O médico oncologista Fábio Franke, é coautor de análise exploratória do estudo: “MONALEESA-7: sobrevida global por subgrupo etário”, que foi apresentado no congresso.

O estudo buscou caracterizar os resultados do inibidor CDK4/6 ribociclibe em pacientes pré ou perimenopausa com câncer de mama avançado HR+/HER2-negativo com menos de 40 anos de idade.

 

SOBRE O ESTUDO:

Ribociclibe prolongou significativamente a sobrevida global em pacientes pré ou perimenopausa com câncer de mama avançado HR+/HER2-negativo. Os resultados atualizados demonstraram mediana de 58,7 com o inibidor de CDK 4/6 + teraía endócrina em comparação com 48 meses para placebo (HR, 0,76 [95% CI, 0,61-0,96]; NCT02278120).

Para avaliar os resultados estratificados em pacientes com menos de 40 anos, que tendem a ter um pior prognóstico, a análise apresentada no ESMO Breast 2021 avaliou pacientes pré ou perimenopausa com câncer de mama avançado HR+/HER2-negativo sem tratamento prévio com inibidores de CDK4/6 ou terapia endócrina para câncer de mama avançado. As participantes foram randomizadas 1: 1 para receber ribociclibe ou placebo mais goserelina e um inibidor de aromatase não esteróide (NSAI) ou tamoxifeno. A sobrevida global e outros parâmetros de eficácia foram avaliados pelo modelo de riscos proporcionais de Cox e resumidos usando Métodos de Kaplan-Meier.

 

RESULTADOS:

 A mediana de acompanhamento foi de 53,5 meses (cut off de dados, 29 de junho de 2020). No braço ribociclibe, 98 pacientes tinham menos de 40 anos, e 237 pacientes apresentam mais de 40 anos no momento da análise. No braço placebo, 88 pacientes tinham menos de 40 anos e 249 pacientes mais de 40 anos. A mediana de idade (intervalo) nos braços ribociclibe vs placebo foi de 35 anos (25-39 anos) vs 36 anos (29-39 anos) em pacientes com menos de 40 anos; e 45 anos (40-58 anos) vs 46 anos (40-58 anos) em pacientes com mais de 40 anos.

Em pacientes com menos de 40 anos, ribociclibe + terapia endócrina demonstrou uma mediana de benefício de sobrevida global de 51,3 meses em comparação com 40,5 meses no grupo placebo + terapia endócrina (HR, 0,65; 95% CI, 0,43-0,98). Ribocilibe também demonstrou mediana de sobrevida global mais longa em pacientes com mais de 40 anos (mediana, 58,8 vs 51,7 meses; HR, 0,81; 95% CI, 0,62-1.07).

Tendências semelhantes de sobrevida global foram observadas em pacientes tratadas com NSAI e em todas as pacientes para a segunda sobrevida livre de progressão (PFS2), tempo para quimioterapia e sobrevida livre de quimioterapia.

Em pacientes que descontinuaram, terapias antineoplásicas subsequentes foram recebidas por 77,3% vs 75,0% das pacientes com menos de 40 anos nos braços ribociclibe vs placebo, respectivamente, e 77,2% vs 79,2% das paciemtes com mais de 40 anos.

Inibidor de CDK4/6 subsequente foi administrado em 16% vs 27,5% das pacientes com menos de 40 anos e 11,6% vs 25,7% das pacientes com mais de 40 anos nos braços ribociclibe vs placebo. Os eventos adversos foram consistentes com o perfil de segurança observado no estudo MONALEESA-7.

"Esta análise exploratória do MONALEESA-7 com acompanhamento médio de 53,5 meses confirmou o benefício em ganho em sobrevida global em todas as faixas etárias da combinação ribociclibe + terapia endócrina, e melhorou os resultados pós-progressão em pacientes com câncer de mama avançado HR-positivo, HER2-negativo na pré ou peri-menopausa", destacou Franke. "Destaque para o fato de que este efeito foi especialmente pronunciado em pacientes <40 anos de idade que são conhecidos por apresentarem um prognóstico ainda pior entre a população pré ou perimenopausa", acrescentou o especialista.

O estudo foi financiado pela Novartis Pharmaceuticals Corporation, e está registrado em ClinicalTrials.gov; NCT02278120.

FONTE: Portal OncoNews


MARÇO LILÁS: UM ALERTA PARA O CÂNCER DO COLO DE ÚTERO

 

Assim como o Outubro Rosa, o mês de março tem a sua cor, a lilás, para um propósito muito importante para a saúde da mulher: o combate ao câncer de colo de útero através da prevenção. Essa doença é considerada um dos tipos mais comuns de câncer entre as mulheres e está associada à infecção pelo Papilomavírus humano, o HPV, sexualmente transmissível. 

As chances de cura do câncer de colo de útero, se diagnosticado precocemente, podem chegar próximo a 100%, pois a sua evolução, na maioria das vezes, acontece de forma lenta. Por ser facilmente detectado em exames preventivos, é muito importante a realização periódica de exames. 

Como estratégia de prevenção e diagnóstico precoce, recomendada pelo Ministério da Saúde, está o uso de preservativos, a realização regular de exames de Papanicolaou, a partir dos 25 anos de idade, e a aplicação da vacina contra o HPV, a partir dos 9 anos de idade.

Então, aproveite esse mês de conscientização e vá ao ginecologista realizar os seus exames periódicos. A prevenção é sempre o melhor caminho. 


Aplicativos para cuidar da sua saúde

A vida corrida nos leva a não prestar atenção em alguns cuidados básicos, mas essenciais à nossa saúde. E, que tal usar a nossa principal ferramenta do dia a dia - o smartphone - para ser seu aliado? Selecionamos alguns aplicativos para você baixar e adquirir novos hábitos.

  1. Water Drink: O aplicativo tem como função lembrar você de beber água em intervalos regulares, através de notificações e lembretes. Afinal, uma hidratação adequada é muito importante para o bom funcionamento do organismo.
  2. Fitbit: Além de auxiliar em uma rotina de atividades físicas, também ajuda a monitorar peso, passos, quantidade de sono e de água consumida por dia.
  3. Sleep Better: Ele funciona para gerenciar o seu sono, essencial para uma melhor qualidade de vida. O app faz estimativas de quantas horas de sono são necessárias para determinadas situações do dia a dia e também analisa como foi a noite de sono.
  4. MySugr: Indicado para pessoas com diabetes, monitora o consumo de açúcar, carboidratos e outros nutrientes, fornecendo análises diárias, semanais e até mensais do consumo de açúcar.

Lembre-se que a prevenção é muito importante para diminuir o risco de câncer. Todos esses aplicativos estão disponíveis para Android e IOS. Siga as nossa dicas e tenha um estilo de vida mais saudável. Cuide-se.