A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) divulgou em abril deste ano, que irá autorizar a solicitação de testes genéticos através dos convênios de saúde.

A nova regra autoriza oncologistas clínicos, hematologistas, neurologistas, ou geneticistas a solicitem exames de análise molecular de DNA; pesquisa de microdeleções/microduplicações por fish (fluorescence in situ hybridization); instabilidade de microssatélites (msi), detecção por pcr e bloco de parafina.

Os testes genéticos permitem identificar se há uma alteração genética em um dos genes associados a um tipo de câncer. A possibilidade de realizar um teste genético para investigar as probabilidades e diminuir as incertezas é um grande benefício aos pacientes.